Ir para o conteúdo <!-- ClassCommunityPlugin not in a profile -->

Thin logo

Tela cheia

Arquivos Pessoais

29 de Maio de 2018, 16:31 , por Ana Elisa Rocha - | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 30 vezes

Definição e importância dos Arquivos Privados

São os constituídos por documentos produzidos e/ou recebidos por uma pessoa física enquanto cidadão, enquanto profissional, enquanto membro de uma família, enquanto elemento integrante de uma sociedade, enfim, de documentos que, preservados para além da vida desta mesma pessoa, constituem-se em seu testemunho, como um conjunto orgânico, podendo então ser aberto à pesquisa pública.

Foi por volta da década de 70 do século XX que os historiadores franceses se voltaram para aquilo que convém chamar de fontes privadas. Essa descoberta e valorização significou um novo olhar sobre a História. A importância dada à percepção dos sentimentos, hábitos e comportamentos, privilegiou o estudo em documentos como correspondências pessoais, anotações, diários íntimos, achados nos acervos de políticos, escritores, artistas, entre outros.

A associação da descoberta dos arquivos privados com a renovação das práticas historiográficas se dá com a revalorização do indivíduo como sujeito participativo na história e consequentemente com a reconstituição da lógica de seus costumes e práticas sociais. Deste modo, os arquivos pessoais permitem trazer para a narrativa histórica uma dimensão humana aos processos sociais.

Enfim, é relevante a importância dos arquivos privados para a pesquisa. Os documentos contidos nesses arquivos sugerem novos objetos e fontes, incorporando novas metodologias e uma “profunda renovação teórica, marcada pelo abandono de ortodoxias e pela aceitação da pluralidade cultural” (GOMES, 1997).

Além da contribuição dada no sentido de ampliar o leque de abordagem no “fazer histórico”, os arquivos privados, depois de organizados e abertos ao público, permitem a divulgação e consequente socialização desse tipo de fonte, que cada vez mais tem sido utilizada por historiadores, literatos, profissionais da área do direito, teólogos, filósofos, cientistas sociais enfim, por profissionais das mais diferentes áreas do conhecimento humano, atingindo, dessa forma, a função social dos arquivos pessoais, através da interdisciplinaridade das ciências envolvidas.