Ir para o conteúdo

Thin-logo

Tela cheia Sugerir um artigo
Rss-feed

ARI Notícias

24 de Julho de 2014 , por Desconhecido -

Notícias! Maily Moura Peixoto e está na Universidade Pompeu Fabra, Barcelona/Espanha

16 de Novembro de 2017, por Ana Elisa Rocha - 0sem comentários ainda
As aventuras já começaram no aeroporto quando senti falta da minha mala, mas em dois dias ela já estava comigo! Cheguei e logo fui a Barcelona conhecer a UPF e no caminho eu já estava apaixonada por esta cidade que tem suas ruas repletas de gente, de vida e beleza! Em Mataró, recebi um banho de motivação ao conhecer cada espaço e proposta que a TecnoCampus e seus docentes oferecem para nós alunos. Logo começaram as práticas no Centro de Atenção Primária em Premiá de Mar, onde pude ver acontecer o meu sonho profissional, que é o exercício da prevenção e promoção a saúde de maneira sólida e eficaz. Foi um mês de experiências incríveis, com profissionais espetaculares com os quais pude aprender e desenvolver um pouco mais de segurança. Agora, estou frequentando as aulas, seminários, simulações em laboratórios, convivendo e interagindo mais com os colegas que, de sua maneira, abraçam a troca cultural na Enfermagem, na vida acadêmica e outras rotinas. O idioma ainda é um desafio, estou fazendo um curso de Castellano bem pertinho da minha casa, aos poucos venho aprendendo muito e com o incentivo de professores, colegas já consigo dar conta de trabalhos e exposições em sala de aula. Acredito que ainda há muito o que aprender, viver e sentir, mas hoje me encontro em estado de gratidão por todas as experiências e por poder partilha-las com os melhores companheiros que eu poderia ter: Beatriz, Felipe e Sâmeki.
 
Img_20171020_171736566_hdr-01
Img_20171101_140926713-01
Img-20171015-wa0089-01
Img_20171101_145415910_hdr-01

 



Beatriz em Barcelona (Pompeu Fabra)

9 de Novembro de 2017, por Ana Elisa Rocha

Barcelona é uma cidade que está sempre cheia em todos os momentos. A Universidade Pompeu Fabra fica perto de um Parque da ciudadela, imponente grande ocupa todo um quarteirão é muito bonita.
Estudo na Tecnocampus que fica em Mataró, uma cidade que pertence a zona 3 de Barcelona. Que é um centro super equipado, tanto a parte de saúde quanto  de business e administração, com possibilidade de incubadoras para as empresas junior e com laboratórios super equipados. 
As aulas são construídas com os alunos que torna ainda mais interessante, chama-se seminários este tipo de prática, mas são diferentes da forma que realizamos; construímos 85% durante as aulas e o resto são toques finais para as apresentações. Os professores ajudam muito nesse processo e possibilitam a abertura para um debate livre durante as aulas.
O primeiro mês foi apenas de prática num centro de atenção primária no setor de atendimento domiciliar, o que foi bastante dinâmico e os tutores permitem que realizemos os procedimentos e  depois dão um feedback positivo/construtivo para a formação.
 A Espanha já passou pelo processo de envelhecimento que nós ainda estamos começando, a experiência está sendo extremamente enriquecedora por esse ponto de vista de que é possível alinhar envelhecimento e qualidade de vida; A saúde comunitária funciona e possibilita o acompanhamento do paciente e da família, do jeito que aprendemos na teoria!
 
Img-20171016-wa0002-01
Img_20170927_133432483-01
Img_20170922_131213822-01
 
 


Felipe Cruz Pires - Barcelona / Distrito de Mataró, Universidade Pompeu Fabra, curso de Educação física

9 de Novembro de 2017, por Ana Elisa Rocha

Estou amando tudo e aproveitando muito essa experiência. 
Assim que cheguei na Espanha já fui me virando, pegando metrô, ônibus, me aventurando com o google maps kkkkkkkkk
Fui aprendendo muito rápido e sem vergonha de tentar falar espanhol.
Quando começaram as aulas, fiquei meio acanhado, eles são bem fechados, então percebi que eu teria que correr atrás de fazer amizades, correr atrás de aprender a falar o idioma...
Acho que foi essencial eu deixar o medo e a vergonha de lado e aprender tudo que esse lugar tem para me oferecer.
Agora já estou amigo de todos, falo com todos, vou pro jogo do Barcelona com um deles...
Cheguei aqui sem entender quase nada do Espanhol, só "Hola, todo bien?",
agora meu espanhol está muito melhor, entendo tudo que eles falam, já consigo me comunicar muito bem!!! Tenho que aprender muito ainda, mas já consigo me comunicar muito bem, fico feliz de ter evoluído tudo isso em menos de dois meses. Mas isso é claro, porque eu me joguei de cabeça e fui correr atrás de aprender e sempre me virando, deixando a vergonha de lado.
Estou amando as aulas, é tudo muito parecido e muito diferente ao mesmo tempo. Os professores foram super receptivos comigo, todos falam em Espanhol, pois sabem que não entendo o Catalão.
Estou amando tudo!!
 
Img_0091
Img_6160
Img_5812


Bolonha por Mariana Fernandes

8 de Novembro de 2017, por Ana Elisa Rocha

Assim que cheguei em Bolonha me deparei com uma arquitetura muito antiga, o que eu particularmente gosto, sendo que quase todas as ruas são cobertas por arcadas.
 
Na Itália há uma distinção entre a população do sul e do norte: enquanto que nas cidades que estão situadas mais ao sul as pessoas são mais "abertas", digamos assim, naquelas que estão ao norte as pessoas costumam ser mais fechadas. Assim, como Bolonha está situada ao norte do país, a população não é de interagir muito, mas ao mesmo tempo, os habitantes são muito educados e sempre aptos a ajudar.
 
Quanto às aulas, estas são diferentes do que havia pensado, pois tinha imaginado que os professores seriam distantes dos estudantes, mas ao contrário, eles estimulam a interação do aluno, e estão sempre dispostos a tirar dúvidas. Acredito que as maiores dificuldades, neste ponto, sejam a quantidade de assuntos pra estudar e o idioma, pois apesar de ter estudado italiano antes de chegar, muitas vezes não consigo entender a aula toda. De qualquer forma, os termos jurídicos são semelhantes no italiano e no português, o que facilita.
 
Penso que essa experiência aqui seja de grande importância, tanto pra minha vida pessoal, em relação a morar sozinha e estar em contato com uma cultura diversa, quanto para minha vida acadêmica, já que estou estudando assuntos que nunca havia tido contato antes, o que permite o aprimoramento do meu conhecimento, e acredito que isto irá enriquecer meu currículo.
 
Enfim, sem dúvidas esta experiência é enriquecedora, sob todos os pontos de vista.
 
21551762_838967719604481_1320283943114548785_o
20171023_175703
20171010_133801


Alunos do próximo Intercâmbio

31 de Julho de 2017, por Ana Elisa Rocha

Foto_interc_mbio
Img_8337
Img_8335
Img_8336
Img_8338


Universidade Portucalense Dom Henrique Infante

17 de Maio de 2017, por Ana Elisa Rocha

Depoimento do aluno do Curso de Direito,  Paulo Bruno B. Souza que está na Universidade Portucalense Dom Henrique Infante, no Porto – Portugal

“Fazer intercâmbio em Portugal é a realização de um sonho. Estou a ter a oportunidade de ampliar meus conhecimentos em uma outra realidade acadêmica, manter contatos com professores e alunos de outras partes do mundo, o que permite uma troca de ideias e experiências. Para além da sala de aula posso participar de outras atividades na universidade, no momento faço parte da Tuna acadêmica (um tipo de grupo musical composto por estudantes universitários). Fora do mundo acadêmico o intercâmbio está me proporcionando a possibilidade de conhecer pessoas e culturas diversas, além disso, quando o calendário da universidade permite (fins de semanas e recessos), tenho tido a oportunidade de viajar por Portugal e as vezes até para outros países.”

Porto, 17 de maio de 2017

E6717903-99dc-4af9-87fc-8c4edc5f66c5
Wp_ss_20170428_0006
Ca8b3ea9-5e48-4996-a284-4aba854b8acc


Breve relato de experiência - Intercâmbio Brasil/Espanha

25 de Abril de 2017, por Ana Elisa Rocha

País: Espanha

Cidade: Barcelona/Mataró

Período: 09/2016 – 03/2017

Intercambista: Diana Almeida Santos

Universidade Católica do Salvador

Universidade Pompeu Fabra -Tecnocampus

 

A experiência do intercâmbio foi incrível, aprendi, vivi, conheci e descobri que tudo é possível se houver esforço e vontade de fazer acontecer. Cursei 5 disciplinas, entre teóricas e práticas, sendo divididas por trimestre, aprendi muito, acadêmica e pessoalmente. A universidade tem uma grande infraestrutura, profissionais qualificados, atenciosos e professores com grande conhecimento na área de atuação. No início foi um pouco difícil, pois meu nível de Espanhol era básico, e acredito que para assistir as aulas e entender bem o conteúdo é necessário maior compreensão do idioma, o qual adquiri em alguns meses. Além do Espanhol, alguns professores ministravam aulas em Catalão (língua oficial da Catalunha), o que também não era bom para o aprendizado, e um pouco desmotivador, mas nada que com estudos e força de vontade não fosse superado.

A metodologia de ensino não é tão diferente do Brasil. Ou seja, tradicional construtivista, com avaliações periódicas, seminários, etc... Então, não foi necessário me adaptar a uma nova metodologia de ensino, mas sim aos exames, que eram aplicados com 80 ou mais questões, estilo “teste”, o que não é comum no Brasil. Só nas provas do ENEM (risos).

Tive a oportunidade de fazer algumas práticas/estágios no Hospital de Mataró, o que considero a melhor fase e aprendizado do meu intercambio. Apesar de ter sido um pouco cansativo (14h às 21h). Trabalhar no hospital, interagir com profissionais, entender e poder ajudar os pacientes nas suas necessidades em uma língua que não é a minha, foi desafiador.  Saber que o profissional de Enfermagem tem condições de trabalhar de forma humana com carga de trabalho e horários aceitáveis, segurança, recursos de materiais, autonomia e respeito dos colegas da área. Tudo isso com serviços humanizados e de qualidade para os pacientes. Viver e participar disso foi gratificante. Mesmo não sendo a minha realidade ou a realidade do Brasil, essas experiencias nos faz refletir o quanto precisamos avançar, e não é só em tecnologia, infraestrutura e economia..., mas também como sociedade, que respeita o indivíduo não pelo que tem e sim pelo que é, simplesmente por ser “humano”.

Além da experiencia acadêmica, viajei muito, não só por diversão, mas o fato de conhecer outras culturas e países me encanta e nos enriquece grandemente, nos faz crescer como seres humanos e entender que somos todos irmãos, não importando o idioma, cor, religião, gênero ou cultura.

 

20161002_153802 Img-20170420-wa0044
Fb_img_1492727792544 Img-20161225-wa0131
Sam_2102-

 

 

 



Congresso Internacional FAUBAI 2017

17 de Abril de 2017, por Ana Elisa Rocha

Congresso Internacional FAUBAI 2017 " New Trends on Internationalization of Higher Education", realizado em Porto Alegre.
 
A UCSal estava presente e agora é membro da FAUBAI, uma das três grandes Associações de Educação Internacional do Mundo.
 
 
Img_0221
Img_0216
 
 


Universidade do Porto - Direito

23 de Março de 2017, por Ana Elisa Rocha

Danilo Miranda, que voltou a pouco do intercâmbio no Porto (Universidade do Porto - Direito)
 
"A mobilidade internacional pode ser uma experiencia extraordinária, sobretudo quando é a primeira vez que se está fora do Brasil, em contato com novas culturas e não há qualquer pessoa que conheça teu nome.
 
Nem de longe a maior diferença que vivenciei em sala foi entre o  português do Brasil e de Portugal. O método de ensino surpreende e rememora os diálogos protagonizados por Sócrates, pois havia uma busca constante, por parte dos professores, em construir as reflexões de mãos dadas com a classe. Também, o  número de alunos estrangeiros com quem pude trocar experiências, compartilhar uma discussão e trabalhar ao lado foi muito grande, o que ajuda na construção de uma consciência mais receptiva e tolerante com o diferente. Em relação à estrutura, a FDUP possui ótimos professores e muito material de qualidade e moderno à disponibilidade do estudante.
 
Fugindo um pouco do campo acadêmico, tive a oportunidade de conhecer muitos países, como Escócia, Turquia e Republica Tcheca, o que foi uma das melhores decisões que fiz em minha vida. Estar sozinho em outro contexto cultural, sair da zona de conforto e se expor a novas realidades é algo engrandecedor. Como tudo que não é minunciosamente planejado, a viagem teve seus altos e baixos, porém a única sensação que resta em meu peito é a de gratidão por ter tido a oportunidade de entender que o importante é a jornada e não o destino.
 
Foi tão normal encontrar  dificuldades quanto aprender a superar os obstáculos que insistem em surgir, o que encaro como a grande contribuição que levo comigo deste período de mobilidade acadêmica. Estou totalmente convencido de que esta experiência repercutirá em beneficio das minhas escolhas e dos sonhos que virei a ter, por isso sei que valeu a pena!"  Danilo Miranda.
 
Lalalala2
Lalalala1


Notícias de Salamanca

17 de Março de 2017, por Ana Elisa Rocha

O aluno de direito Arnaldo Santana manda notícias de Salamanca onde está fazendo intecâmbio:

"Oi Roberta.
Tá tudo muito bom por aqui. To gostando das aulas, dos eventos, das pessoas, enfim, de tudo.
Segue uma foto aqui com o pessoal brasileiro que ta em Salamanca. 
Atenciosamente,
Arnaldo "
 
Img-20170204-wa0162