Ir para o conteúdo <!-- ClassCommunityPlugin not in a profile -->

Institucional

Tela cheia

História da UCSAL

30 de Julho de 2014, 11:03 , por Lais Catarine Souza Braga - | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 13902 vezes

CONVENTO DA LAPA

A LAPA: OS CAMINHOS

Situado na Segunda Linha das colinas do sítio de Salvador, em local onde existiam antigas trincheiras, o conjunto Igreja e Convento de Nossa Senhora da Conceição da Lapa está na parte de terra a partir de São Bento, onde estava situada, também, a Igreja de Nossa Senhora da Barroquinha.

O bairro da Lapa figura na Planta do Brigadeiro João Massé, com casario no lado oposto àquele em que se construiria, a seguir, o Convento e a Igreja de Nossa Senhora da Conceição da Lapa.

A IGREJA E O CONVENTO

João de Miranda Ribeiro levantou uma capela sob a invocação de Nossa Senhora da Lapa, e logo lhe é concedida a libertação (25.10.1733) para edificar um convento de freiras à sua custa e de Manuel Antunes Lima e outros.As obras de ampliação da Igreja, tendo à frente a Abadessa, ficaram embargadas por algum tempo, esperando a liberação do Vice Rei, o Conde das Galveas, André de Melo e Castro. As obras seriam feitas sobre as trincheiras em frente ao Dique. As Concepcionistas juraram defender o local com suas orações. Em apoio das religiosas, manifestou-se o engenheiro Nicolau de Abreu e Carvalho: " porque se o Senhor não goardar a cidade debalde vigia quem a goarda. "

Esse Convento obedeceria à regra das Franciscanas Capuchas Recolêtas, tendo o cabido sede vacante estipulado a dotação de cada uma das religiosas o valor de 1.600$ RS. De Lisboa veio na frota de 1754 a bonita portada de pedra da Igreja, acompanhada da imagem de Nossa Senhora e vidraça, tudo importando 565$055 RS. Coube a Antonio Mendes da Silva, exímio entalhador, as obras do retábulo da capela mor. Parece ser o retábulo da Lapa, o único exemplar do trabalho desse artista. O convento começa a funcionar a 7 de setembro de 1744, recebendo as religiosas excedentes do convento de Desterro e as cinco filhas do fundador João de Miranda. Em 1754, pelo Breve de 5 de março, foi concedido o beneplácito de serem acolhidas no convento 13 coristas e 4 convertidas. As guerras pela independência na Bahia fizeram com que as religiosas se desfizessem de suas alfaias preciosas para matar a fome. Outro episódio que envolve o convento e a guerra é a morte da Abadessa Soror Joana Angélica de Jesus pelos soldados portugueses, quando tentava impedir que violassem a claustro.

ARQUITETURA E ARTE

A igreja e o convento seguem a arquitetura utilizada em conventos portugueses dos séculos XVII e XVIII de Lisboa, Évora Ponta Delgada e também da arquitetura civil Açoriana. Seu interior exibe 3 altares setecentistas. O da Capela mor, com baldaquim em forma de coroa, é sustentado por colunas salomônicas, na linha dos altares de Monte Serrat, Conceição da Praia e Santa Casa de Misericórdia. O teto da nave, em perspectiva barroca de origem italiana, foi introduzido no Brasil na metade do século XVIII. A pintura é atribuída por Manoel Querino a Veríssimo de Souza Freitas. As paredes do presbitério estão revestidas de azulejos em forma de painéis e protegidas por uma grade de ferro executada pelo mestre Antonio Corrêa de Souza.

A UCSAL

Em 1968, na gestão do então secretário Irmão Daniel de Albuquerque, a Faculdade Católica de Filosofia instala no Convento da Lapa, no dia 14 de março, os cursos de Direito, História Natural e Letras. Em seguida, com a construção de um prédio anexo, nos fundos do Convento, são agregados os cursos de Enfermagem, Engenharia e Pedagogia. Nesse período, na antiga casa do Capelão, passa a funcionar a Superintendência Acadêmica da UCSAL. O Convento abrigou também os cursos de Letras, Comunicação Social e Secretariado. A unidade contava, ainda, com Biblioteca e Laboratórios de Informática. As atividades da UCSAL no Convento da Lapa se encerraram no ano de 2015.